Texto
Lembrará de mim pelo eterno!
Alguns são capazes se perguntar por vezes o quão será sua longevidade. A vida ─ uma dádiva divina ─ concedida aos homens em busca da continuidade, ao meu ver. De acordo com alguns pensadores, baseados em suas mentes evoluídas, este presente não passa de uma propriedade que caracteriza os organismos cuja existência evolui do nascimento até a morte. Somos então uma demonstração de que nada eterno? Nossa existência tem fim. A carne é consumida, o carbono é degradado e ao fim da noite, não há mais seu ser. É atormentador imaginar o quão insignificante parece ser. A história irá te esquecer. Nós perdemos entes amados a cada segundo que se passa. E não importa o quanto os amamos, ao longo daquilo que define como "vida", os esquecerá. "A história irá te esquecer", ouso repetir em alto e bom som.

Quarto de Jinwoo Lee

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Quarto de Jinwoo Lee

Mensagem por Evie Z. Herbjørnsrud em Qui Maio 26, 2016 2:37 pm



Dentro do quarto é possível encontrar variadas coisas
O Conselho
avatar
Mensagens :
21

Data de inscrição :
22/05/2016

Idade :
20

Localização :
Por aí

O Conselho

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Quarto de Jinwoo Lee

Mensagem por Lee Jinwoo em Sex Maio 27, 2016 7:01 pm


Starting a new life ✾
Naneun tto utneun cheok ✣ geunyang meoljjeong hancheok

Pressionei minha mão a maçaneta e lhe dei um único giro. Meus ombros encostaram-se à porta dando-me uma ajudinha, porque a madeira pareceu emperrada. A respiração que sairá pela minha boca, tinha aceleração naquele ciclo repetitivo. Investiguei os lugares no quarto, imaginando de qual maneira ele se enquadraria aos meus gostos. Precisava de uma prateleira para por minhas coisas da mala; um espaço para meus objetos e livros. Mas por enquanto tudo aquilo poderia esperar... Pois, no momento em que funguei o ar, um mau cheiro incensou todo o contorno da minha cabeça; ás pressas corri para alcançar a janela e abri-la sem êxito. Infelizmente, aquele cheiro era familiar de mais para que eu tivesse a trágica certeza de que aquele quarto de inteiro fedia a “amoníaco”: amônia, geralmente encontrada na urina do gato. Espirrei forte, durante várias vezes, enquanto desci para a cozinha; no armário da dispensa peguei uma vassoura, depois voltei com um rodo usando o balde como seu chapéu. Queria dar uma geral naquele quarto, afinal, iria passar, pelo que eu vi, muito tempo nele.   Enxerguei grãos de poeira subirem numa cortina acinzentada, mostrada pelas brechas de luz que vinham da janela; abaixo da cabeceira, ao lado da cama, um ninho empoeirado; os varri com forme a vassoura me permitia, fiz desse mesmo jeito em cada cantinho, formando um pequeno moinho de pó. Quando a primeira gota de suor deslizou pelo meu rosto era hora de passar o rodo. Apliquei desinfetante no balde de plástico e pus um pano ao liquido, em seguida o entrelacei ao rodo; movi-me pra lá e pra cá, como se estivesse em uma pista de corrida. Foi divertido, me senti criança de novo... Ser uma criança. Eu parei no meio do caminho, depois daquele incidente. Ocupei-me o resto da tarde para arrumar minhas coisas das malas e deixar tudo em ordem.  Ao acabar meu “projeto”, falei com orgulho do trabalho bem feito: – Está pronto.

Certamente demoraria em deixá-lo a minha cara, mas naquele fim de tarde podia relaxar em um lugar confortante. Girei meu corpo, jogando-me para a cama; agarrei-me a uma das almofadas grafitadas em forma de bola, e "capotei", dormir por um longo, logo tempo.

[...]

Retirei os fones de ouvido, pelo meio dia; haviam se passado alguns dias desde que comecei a morar na Academia Miss Robichaux's, bem, nesse meio tempo, aprendi um pouco sobre as peculiaridades de algumas moradoras do mesmo. Não era popular e passava maior parte do meu tempo no meu quarto tentando desenvolver o meu dom da “Criocinese”. Tentativa falha, mas até aquele ponto eu sabia que precisava continuar. Queria ver novamente aquele surpreendente momento diante dos meus olhos.
Fiz a volta na mesa do notebook e o liguei a tomada. Meus pés estavam dormentes. Câimbra, alergia, não, alergia não, pensei. Deslizei meus finos dedos sobre o teclado e procurei mais sobre a Criocinese.
Durante uma procura cansativa encontrei algo interessante; um quadrinho norte-americano, onde um dos personagens principais possui um poder semelhante à Criocinese... Se não for a própria. Fiz um pedido de compra em um site, e só precisava esperar o dia da entrega. Estalei os dedos em pura satisfação, afinal, foi um bom negocio e por um preço acessível.

Enquanto passava os dias naquele “internato”, mantinha contado com meus pais durante a semana, sabe, ligações e dinheiro pelos correios. Minha vida estava...  Levemente boa.

Miss Robichaux
avatar
Mensagens :
8

Orientação Sexual :
Bi-curiosa

Data de inscrição :
25/05/2016

Idade :
18

Miss Robichaux

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum